Revista PIB

Faça da Revista PIB a sua home page Terça, 21 de Novembro de 2017

 

17/08/2012

Gerenciamento do impacto de eventos climáticos extremos é debatido em São Paulo

Workshop reúne especialistas para encontrar formas de reduzir as perdas humanas e os prejuízos econômicos provocados pelo clima

O aquecimento que já houve no mundo vai provocar um aumento na frequência dos eventos climáticos extremos, e portanto, vamos ter muito mais desastres naturais no mundo daqui para frente. “Os desastres não são ‘naturais’, mas são conjunções de eventos climáticos ou meteorológicos naturais com a vulnerabilidade e a exposição a eles por uma sociedade ou grupo humano”, ressalva Vicente Barros, pesquisador do Centro de Investigacíon del Mar y la Atmósfera (Cima) da Universidad de Buenos Aires, na Argentina. A afirmação resume a conclusão do Relatório Especial sobre Gestão dos Riscos de Eventos Climáticos e Desastres (SREX, na sigla em inglês), elaborado e recentemente publicado pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC); e debatido ontem e hoje no workshop Gestão dos riscos dos extremos climáticos e desastres na América Central e na América do Sul, realizado em São Paulo. “Se o problema dos riscos climáticos é uma conjunção destes três fatores, evidentemente, é preciso desenvolver estratégias para mitigá-los”, avaliou Barros, que também é co-presidente do Grupo de Trabalho II SREX.


O documento sugere como medida para atenuar a vulnerabilidade humana diante das catástrofes climáticas, a implementação de políticas de diminuição de pobreza e a melhora do nível educacional das populações, de forma a aumentar o grau de conscientização das pessoas sobre os riscos que correm. De acordo com dados do relatório, 95% dos desastres causados por eventos climáticos extremos no período de 1970 a 2008 ocorreram em países em desenvolvimento e apenas 5% em países desenvolvidos. “Uma mensagem muito importante do relatório é que a maneira mais efetiva para aumentar a resistência das populações aos eventos climáticos extremos é melhorar as condições de desenvolvimento socioeconômico”, afirmou Sebástian Vicuña, professor da Pontificia Universidad Católica de Chile.


O workshop foi realizado pela FAPESP e pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), em parceria com o IPCC, o Overseas Development Institute (ODI) e a Climate and Development Knowledge Development (CKDN), ambos do Reino Unido, e apoio da Agência de Clima e Poluição e do Ministério de Relações Exteriores da Noruega.


Fonte: Agência Fapesp


Foto da capa
Legenda/Crédito: Imagem do furacão Francis (2004) feita pelo astronauta Mike Fincke da Base Espacial Internacional/NASA



28/06/2016 -   FIESP destaca a importância da logística para a retomada do crescimento
02/05/2016 -   Movimat divulga detalhes da feira de setembro
03/10/2015 -   Voando sobre o mundo
03/10/2015 -   O mundo é Azul
03/10/2015 -   O caminho da diferença
03/10/2015 -   Restaurantes, galerias, praias e parques de Miami
03/10/2015 -   A Ásia são muitas
03/10/2015 -   De olho no mundo
01/10/2015 -   Um Calatrava no Rio
29/09/2015 -   Hungry and with a big appetite
29/09/2015 -   A bigger share, please?
29/09/2015 -   Passage to India
Totum Editora Revista PIB - 2009 © Todos os Direitos Reservados