Revista PIB

Faça da Revista PIB a sua home page Sábado, 25 de Novembro de 2017

 

18/05/2011

Angola quer atrair empresas brasileiras

Afirmação foi feita pelo adido comercial daquele país durante seminário da Apex

Com a estimativa de um crescimento de 7,5% no Produto Interno Bruto (PIB), nos próximos quatro anos, Angola está em busca de empresários brasileiros que queiram investir em habitação, construção civil, alimentos, bebidas, agronegócios e máquinas e equipamentos no país africano.

A informação foi dada nesta quinta-feira pelo adido comercial daquele país, Mateus Barros José, durante o Seminário Mercado Foco Angola, promovido pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações (Apex-Brasil) para mostrar aos interessados as oportunidades de negócios e como viabilizá-los.

“Angola está se reerguendo depois de passar por um período de guerra [civil]. E nesses nove anos de paz com uma economia evoluindo queremos que empresas brasileiras pequenas e médias produzam localmente e possam gerar empregos”, disse o representante do país africano.

Dados da Apex-Brasil mostram as exportações para Angola cresceram de forma expressiva entre 1999 e 2010, passando de U$S 64 milhões para US$ 947 milhões. Em 2009, as vendas tinham atingido US$ 1,33 bilhão. De acordo com Barros José, no momento a pauta de exportações angolanas se restringe ao petróleo e aos diamantes, mas que há o desejo de recuperar posições em vários setores como o agronegócio. “Já exportamos café, sisal, milho e há potencial para produzir açúcar”.

O diretor de Negócios da agência, Rogério Bellini, destacou que o agronegócio é um dos setores com grandes chances de desenvolvimento nos acordos bilaterais. “O que nós queremos é atrair empresários que nunca exportaram, que já exportam para lá, mas não uma forma continuada e os que já estão lá e precisam internacionalizar suas empresas”. Segundo ele, a intenção é que a participação brasileira naquele mercado cresça em torno de 20%. Bellini também informou que estão em andamento iniciativas para ampliar os intercâmbios de agronegócios com a Colômbia, os Estados Unidos, Emirados Árabes e a China.

No encontro promovido hoje o número de inscritos atingiu 265. Entre os presentes estava Mário Sérgio Bello, representante da empresa Tecnometali Comércio e Importação e Exportação, que presta serviços de informatização na área de segurança e comunicação, principalmente, para a área governamental. “ A princípio teremos ainda que submeter as chances de negócios com nossa equipe técnica porque lá o custo de vida é muito alto”, disse ele.

O coordenador de Novos Produtos da Apex-Brasil, Juarez Leal, disse que além de mostrar aos interessados as oportunidades de investimentos, a agência tem apresentado informações estratégicas, canais de negociação e um trabalho de consultoria. “A empresa que quer chegar e esse mercado tem um leque de opções”. Segundo ele, em encontros promovidos em Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife e, este em São Paulo, foram reunidos cerca de 400 empresários. Na próxima semana, haverá um encontro no Ceará.

Com informações da Agência Brasil


28/06/2016 -   FIESP destaca a importância da logística para a retomada do crescimento
02/05/2016 -   Movimat divulga detalhes da feira de setembro
03/10/2015 -   A Ásia são muitas
03/10/2015 -   De olho no mundo
03/10/2015 -   Voando sobre o mundo
03/10/2015 -   O mundo é Azul
03/10/2015 -   O caminho da diferença
03/10/2015 -   Restaurantes, galerias, praias e parques de Miami
01/10/2015 -   Um Calatrava no Rio
29/09/2015 -   Hungry and with a big appetite
29/09/2015 -   A bigger share, please?
29/09/2015 -   Passage to India
Totum Editora Revista PIB - 2009 © Todos os Direitos Reservados