Revista PIB

Faça da Revista PIB a sua home page Terça, 21 de Novembro de 2017

 

19/04/2011

Brics são vítimas das políticas econômicas dos países desenvolvidos, diz professor

Para Newton Marques, as medidas de combate à crise agravam os desequilíbrios externos nas nações em desenvolvimento

Os países emergentes, principalmente as economias do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), são as principais vítimas das políticas econômicas das nações desenvolvidas, disse o professor da Universidade de Brasília (UnB) e especialista em economia internacional Newton Marques. Em entrevista ao programa Revista Brasil, da Rádio Nacional, ele afirmou, segundo a Agência Brasil, que as medidas econômicas adotadas pelos países ricos para combater a crise agravam os desequilíbrios externos nas nações em desenvolvimento.

Sobre o encontro do G20 (grupo das 20 principais economias do mundo), que ocorreu na semana passada nos Estados Unidos, Marques destacou que o Brasil tem sido visto como uma liderança emergente, ao lado da China, Índia e Rússia. Segundo ele, esses países procuram influenciar as decisões porque são os mais afetados pelas políticas econômicas que ele considera equivocadas. “Com a recessão nos Estados Unidos, o Banco Central norte-americano injeta um volume maior de dólares na economia, com reflexos no mundo todo, principalmente nos países emergentes”, enfatizou.

Para o professor, o Brasil é um dos países que mais sofre com o excesso de dólares no mercado e o forte processo de valorização cambial, com consequências para as exportações, pois a valorização excessiva do real torna os produtos brasileiros mais caros no exterior. “No fim, perdemos produtividade perante o mercado norte-americano”, disse. Segundo ele, as medidas adotadas pela União Europeia para salvar o euro também terão reflexo sobre os países emergentes.

Ele lembrou que os países desenvolvidos conseguem resolver os problemas com maior facilidade do que países em desenvolvimento, como os países que formam o Brics. “Um país desenvolvido tem crise passageira. O Japão, num instante, resolveu a maior parte dos problemas provocados pelo tsunami. O Brasil, no entanto, tem problemas sérios e não consegue resolver as coisas rapidamente”, afirmou.

Com informações da Agência Brasil



28/06/2016 -   FIESP destaca a importância da logística para a retomada do crescimento
02/05/2016 -   Movimat divulga detalhes da feira de setembro
03/10/2015 -   De olho no mundo
03/10/2015 -   Voando sobre o mundo
03/10/2015 -   O mundo é Azul
03/10/2015 -   O caminho da diferença
03/10/2015 -   Restaurantes, galerias, praias e parques de Miami
03/10/2015 -   A Ásia são muitas
01/10/2015 -   Um Calatrava no Rio
29/09/2015 -   Hungry and with a big appetite
29/09/2015 -   A bigger share, please?
29/09/2015 -   Passage to India
Totum Editora Revista PIB - 2009 © Todos os Direitos Reservados